10 dicas para melhorar o SEO das páginas do seu site

Muita se tem escrito sobre como otimizar o SEO de um site para aparecer nas principais posições de pesquisa no Google.

A verdade é que os robôs (spiders) usados pelo Google, quando se trata de rastrear e posicionar sites, alteram os algoritmos constantemente e é difícil estabelecer um manual de SEO que nos garanta que uma página apareça na primeira posição de uma busca orgânica (aquela de resultados não pagos).

Mesmo assim, neste post, você encontrará 10 dicas que, se usadas corretamente, irão ajudar você a aumentar o posicionamento das páginas do seu site ou blog.

Vamos começar no início:

O que é SEO onpage? Trata-se de todas as otimizações que podem ser feitas em um site para torná-lo “atraente” para os mecanismos de busca, como o Google. Em suma, tudo o que depende diretamente de você mesmo para “explicar” ao Google o propósito do site ou blog visando posicioná-lo o mais alto possível nos resultados das buscas.

1. Tags HTML visíveis no mecanismo de pesquisa do Google

Para que Google decida indexar e posicionar nossos sites nas primeiras posições de seu mecanismo de busca, devemos seguir uma série de regras.

Como as palavras-chave, as tags e as metatags introduzidas no código HTML de um site são essenciais para mostrar aos robôs do Google sobre o que um site trata (sem tema ou assunto) e para indicar que conteúdo que eles encontrarão é relevante para os usuários.

Em geral, as pesquisas do Google geralmente mostram as seguintes tags:

seo onpage em salvador bahia

2. Tag title

O título ou tag title é um dos elementos mais importantes para o Google, pois ajuda a “descrever” o tema do nosso site ou blog.

Este título deve ser atraente para o Google, mas, também, deve ser para o usuário. A tag title deve:

  • ser exclusiva, única para cada página
  • conter a palavra-chave escolhida e
  • não ter mais de 70 caracteres.

3. URL

É importante que a URL exibida no mecanismo de busca seja a mais amigável possível.

Isso significa que o usuário deve poder lembrar-se. Além disso, é importante que contenha a palavra-chave escolhida para a página específica. Embora o WordPress gere URLs toda vez que você salva a página, é possível editá-las para torná-las amigáveis e se adaptar às palavras-chave escolhidas.

4. Meta Descrição

É um resumo da página.

Deve ser atraente para os usuários, uma vez que nós dependemos desse “clique” na URL para que os usuários acessem nosso site.

Além disso, a descrição:

  • deve ser fiel ao conteúdo que os usuários encontrarão no site;
  • deve ser diferente para cada página criada;
  • não deve conter mais de 150 caracteres para impedir que o Google corte a descrição pelo meio.

5. Tags HTML visíveis no conteúdo do site

Cabeçalhos <h1> </ h1>, <h2> </ h2> e <h3> </ h3>

Embora a maioria dos mecanismos de busca possa ler até 6 níveis de tags de cabeçalho, é normal usar os três primeiros <h1>, <h2> e <h3>.

Os cabeçalhos são usados ​​para dizer ao Google e aos usuários que visitam o site que tipo de conteúdo eles vão encontrar. Além disso, os cabeçalhos são muito úteis para classificar e estruturar o conteúdo de páginas e postagens.

O <h1> é o cabeçalho mais importante para o Google e não deve haver mais do que um por página.

Se no <title> e na URL a palavra-chave principal foi incorporada, pode ser um pouco forçado inseri-la no H1; tudo dependerá da situação.

As outras tags de cabeçalho ajudarão a estruturar o conteúdo na página. É importante respeitar a ordem e não forçar a inclusão de palavras-chave.

O WordPress facilita muito esta tarefa de classificar conteúdo em páginas da web.

6. As imagens

<img src=”/imagem.jpg” alt=”descrição da imagem” />

Embora o Google ainda não consiga ler imagens, ele as analisa através de uma série de campos que facilita o trabalho quando tudo é indexado.

No caso de ter um site ou blog WordPress, será muito importante preencher todos os campos que nos são oferecidos. Os mais importantes são o nome do arquivo (embora que não apareça no navegador, o Google pode lê-lo) e ALT (ou texto alternativo).

Como sempre, será importante usar palavras-chave na tag e otimizar as imagens para evitar diminuir, na medida do possível, a velocidade de carregamento da página.

7. Links internos

<a href=”http://linkparaoutrapáginadoseusite” title=”nome do link”> </a>

Os links internos são aqueles que redirecionam para outras páginas do nosso site ou blog.

Desta forma, é possível conceder e transferir autoridade para determinadas páginas do nosso site, reforçando a relevância de seu conteúdo.

É importante:

  • usar palavras-chave no texto-âncora, apenas para páginas do mesmo tema;
  • ter a opção de retornar à página inicial em cada uma das páginas e;
  • gerar o chamado “caminho das migalhas” para facilitar a experiência do usuário.

8. Links externos ou linkbuilding

É necessário obter um link externo de páginas com alto nível de relevância para ajudar a impulsionar o nosso SEO.

Da mesma forma, a incorporação de links externos nas páginas ou postagens do nosso site servirá para melhorar a experiência dos usuários e dizer ao Google que você está interessado em se conectar a outras páginas de outros sites do mesmo tópico ou ramo que o seu.

Mas se não é interessante fazer como que o Google vincule o nosso site com outras páginas com má reputação, então deve-se usar a tag:

<a href=”URL da página em questão” rel=”nofollow”>texto-âncora</a>

Por outro lado, quando uma página externa nos dá um link, tente fazer com que o texto-âncora incorpore o <title> e o <h1> de nossa página. Fazer linkbuilding (construção de links) pode nos ajudar a atrair mais tráfego para a web.

9. Outras tags e arquivos que ajudam o SEO

  • Sitemap.xml = é um arquivo que contém todas as URLs indexadas. O Google lê o sitemap para manter todas as páginas do site atualizadas;
  • Robots.txt = o Google não poderá rastrear as URLs que estiverem incorporadas neste arquivo;
  • Link rel = “canonical” = se você tem conteúdo duplicado na web, com esta tag podemos dizer ao Google o conteúdo a indexar e o que não indexar;
  • Hreflang = esta tag nos permite informar ao Google se tivermos conteúdo em países diferentes e em idiomas diferentes;
  • Rich Snippets = tags usadas pelos programadores para fornecer mais informações sobre o conteúdo de um site ou blog para os mecanismos de busca.

10. O conteúdo ajuda o SEO onpage

Os mecanismos de busca analisam o conteúdo do seu site e determinam quão relevante ele pode ser em relação a outras páginas do mesmo tema.

É muito importante ter uma estratégia de conteúdo para melhorar o SEO onpage e cativar os usuários para que visitem nosso site. E atraí-los é apenas o primeiro passo. Se uma vez dentro da página eles não encontrarem conteúdo original e atraente, eles podem não voltar.

Em um segundo, uma estratégia de meses pode ser prejudicada. Portanto, cuidar do conteúdo será uma tarefa essencial para realizar uma boa estratégia de SEO onpage.

Algumas recomendações sobre o conteúdo:

  • Deve ser conteúdo exclusivo, único;
  • Escolha uma frase-chave que envolva o usuário e que o leve a clicar no link do nosso site;
  • Inclua conteúdo multimídia e complete os campos de tags que estão a nossa disposição (nome de arquivo e ALT);
  • Controle a densidade das palavras-chave e incorpore o conteúdo interno e externo;
  • Escreva conteúdo pensando nos usuários e, depois, no Google. Os textos não podem parecer artificiais.

Conclusões

Em resumo, realizar um projeto de SEO implica estar ciente de uma grande quantidade de coisas.

O Google implementa e muda seus algoritmos de indexação com frequência e, por isso é necessário estar informado de todas as notícias relacionadas ao mecanismo de busca.

A parte positiva e, embora os resultados possam demorar um pouco para serem percebidos, é que o SEO é otimizado organicamente, nós somos os que o controlamos.

Comente